04 maio 2013

Habituando-se aos brinquedos
Cris Compagnoni dos Reis19:51 1 comentários


Até parece mentira quando ouço alguém dizer que não gosta de ler, pra mim soa como não gostar de chocolate ou Coca-Cola, que é possível, mas é raro e no mínimo estranho. Pra mim a leitura é algo tão fundamental que fica difícil imaginar a vida sem os livros, sem as histórias e os personagens contidos em cada um deles porem, não nasci gostando de ler, é algo que foi surgindo com o exercício da leitura, foi se tornando um hábito que impulsionado pelo livro certo na hora certa passou a ser prazeroso e essencial.

Acredito ser perfeitamente possível aprender a gostar de ler, para isso precisamos primeiro fazer da leitura um hábito diário e não deixar que seja algo esporádico, principalmente se for “obrigatório” objetivando realizar algum trabalho acadêmico ou algo do gênero. Sugiro começar com textos curtos, contos, crônicas, e porque não histórias em quadrinhos, o importante é ler todos os dias, de 15 a 20 minutos por dia, com o passar do tempo, esses poucos minutos não serão suficientes, o próprio leitor sentirá necessidade de dispor de mais tempo para ler.


Selecionar o que se lê é fundamental, ler qualquer coisa ou um estilo que não é o nosso desestimula, torna a leitura cansativa, mas quem não é um leitor habitual não vai acertar o livro logo de primeira, é preciso fazer experiências e ler de tudo até descobrir que tipo de leitor será, que estilo de histórias lhe agradarão, é nessa fase da formação de um novo leitor em que muitos desistem, e é nessa fase em que temos que ter em mente a palavra persistência. Deve-se também observar a linguagem do que se lê, quem nunca leu um livro raramente ira gostar se ler algo cuja a linguagem não seja próxima da sua, geralmente isso acontece com os clássicos quando não se está habituado a eles, vocabulários não coloquiais assustam neo leitores.

Muitas pessoas leem na hora errada: antes de dormir, já estamos cansados nesse horário, não é preciso muito tempo de leitura para que o sono chegue de vez tire a nossa atenção da história e nos deixe dormindo com o livro nas mãos. Cada um tem um período do dia que é mais propício para ler, não há uma regra, tem mais a ver com horário biológico do que com o relógio, eu gosto de ler depois do banho, geralmente estou descansada e desperta, pra mim essa é a hora perfeita para mergulhar nas páginas de um livro. Além disso, sempre carrego um livro na bolsa, a oportunidade para ler pode surgir quando menos se espera, aliás salas de espera são perfeitas para leituras, e elas fazem arte do nosso dia-a-dia, estão nos consultórios médicos e odontológicos, salões de beleza, clínicas, escritórios, adoro esperar com um livro em mãos.
Qualquer um pode gostar de ler e pra quem gosta de histórias a leitura é, em muitos aspectos, melhor do que um filme na minha opinião, já que na grande maioria das vezes o livro é que inspira o filme, é muito mais rico em detalhes e a parte que mais gosto: nos permite imaginar e participar da história coisa que ao assistirmos um filme, mesmo quando é bom, ficamos presos na imaginação do diretor enquanto o livro nos deixa livres, segundo Rubens Alves “Um livro é um brinquedo feito com letras. Ler é brincar.”
Categoria:
Sobre o autor (a) Formada em Matemática e especialista em Estatística mas ganha a vida como bibliotecária e é viciada em livros. Facebook ou Twitter

Um comentário :