30 novembro 2011

Um Lugar Escuro
Cris Compagnoni dos Reis08:41 10 comentários


Este livro é o primeiro que tem a honra de ter duas postagens dedicadas a ele nesse blog; a primeira foi uma exceção, pois não tinha o lido, mas agora cumpri o meu papel de leitora; já esta segunda postagem tem mais a cara desse blog, já que agora tenho uma relação mais íntima com essa história para compartilhar com os demais leitores. Por outro lado sinto certa insegurança, pois o fato de que o autor Leonardo Zegur entrou em contato comigo através do blog, contato esse que resultou a primeira postagem, é grande a chance de que ele venha a ler o que eu escrevo sobre o livro dele. E agora?

UM LUGAR ESCURO é completamente diferente de tudo o que tenho lido nos últimos tempos, hoje minha mesinha de cabeceira está lotada de fantasia, ficção científica, mitologia, literatura infanto-juvenil; tive um choque de realidade, ta, esse livro pode até ser ficção, mas me pareceu muito real, eu me vi na pele do protagonista, eu senti tudo o que ele descreveu sentir, histórias escritas em primeira pessoa fazem isso comigo, mergulho em um turbilhão de emoções que, naquele momento, são minhas também.

Essa é a história de um cara que não está dentro dos padrões de beleza da nossa sociedade, um cara feio que sempre foi discriminado, excluído, sofreu bullying, nunca foi de fato aceito pela sociedade. Sofreu com a ditadura do belo, com a rejeição das garotas, e decidiu resolver as coisas do seu próprio jeito, com as próprias mãos.

24 novembro 2011

Coleção Mortos de Fama
Cris Compagnoni dos Reis17:03 14 comentários



Posso até levar fama de fofoqueira por isso, mas o fato é que adoro saber da vida dos outros, ainda mais se os outros em questão são personalidades que realmente fizeram a diferença no mundo; e que jeito melhor há de fazer isso do que lendo a biografia dessas pessoas? Bom, tudo que ser faz com bom humor, é sempre melhor.

Gosto muito de rir, e isso é o que mais faço ao ler algum livro da Coleção Mortos de Fama, essa é uma coleção de biografias escritas de um jeito único, pelo menos eu desconheço algo parecido, são extremamente divertidas, fiéis a realidade, e fazem com que o leitor se sinta muito próximo do biografado, íntimo até, pois permite que conheçamos a versão dele, seus anseios, medos e desejos mais secretos.

São muitas as particularidades dessa coleção:

18 novembro 2011

Como Ser um Pirata
Cris Compagnoni dos Reis10:06 2 comentários


É incrível como essas séries literárias podem ser viciantes, nem bem terminei de ler o primeiro e meus dedos já sentiam aquela coceira alucinante que só parou quando pequei o próximo livro para ler. O Soluço é um personagem que realmente me cativou, fiquei ansiosa por conhecer as suas novas aventuras.

É difícil imaginar um viking que não saiba navegar, lutar com espadas, coisas desse tipo, então depois de passar pelo Programa de Iniciação (em Como Treinar o Seu Dragão) Soluço e os seus colegas tem que passar pelo Programa de Treinamento de Piratas para que sejam considerados vikings dignos de pertencer a Tribo dos Holligans Cabeludos.

Logo na primeira aula que era sobre lutas de espadas em alto-mar, algo bate no barco e faz com que esse naufrague, e Soluço, tentando salvar a vida de um amigo que não sabe nadar encontra o objeto causador deste acidente: o caixão do Pirata Barbadura, o Terrível, que é tataravô de Soluço. O caixão é levado para a tribo e mesmo com avisos em letras garrafais para que não seja aberto, os vikings o abem.

Mas dentro do caixão não tinha nada do tesouro do famoso pirata, apenas Alvin, o Fazendeiro Pobre e Honesto que achara o caixão por acaso e acabou preso dentro dele, Alvin trás com sigo um mapa que diz onde se encontra o tesouro do Barbadura e uma charada que deixa bem claro que apenas o descendente do Pirata, herdeiro da Tribo poderá encontrar o seu tesouro. Soluço é esse herdeiro, e essa é a chance que ele tem de provar isso para a Tribo.

09 novembro 2011

Como Treinar o Seu Dragão
Cris Compagnoni dos Reis20:50 3 comentários


Quem acompanha o blog já deve ter percebido que tenho gosto muito de literatura infanto-juvenil, talvez o meu lado leitora nunca deixe de ser criança; também gosto muito de histórias fantásticas e mitológicas e Como Treinar o Seu Dragão é uma mistura de todos esses estilos.

Existe um filme homônimo, mas quando assisti não sabia que era baseado em um livro, não gosto de ver o filme antes, acho que estraga a história, mas gostei tanto da versão das telonas que não resisti quando vi os livros da série na promoção. Para quem gostou do filme já vou logo avisando: o livro é muito diferente, acho que foi uma mera inspiração; o filme é mais dramático enquanto o livro tem um lado cômico predominante.

Essa é a história de Soluço Spantosicus Strondus III, filho do líder de uma aldeia viking, mas ele não é nada do que esperavam que ele fosse, é um menino magro e fraco fisicamente, muito diferente do que se imagina quando se pensa em um Herói Viking. É difícil para alguém como ele sobreviver, pois na sua Tribo existe um lema levado muito a sério: ou se é um herói ou um exilado, para não enfraquecer a linhagem, e apesar de não querer ser exilado, o menino franzino está longe de ser um herói.

04 novembro 2011

Alexandre, o Grande e sua sede de fama
Cris Compagnoni dos Reis08:44 0 comentários

Cá estou eu novamente com uma biografia, gosto mesmo de biografias, ainda mais quando é escrita com muito bom humor, com ilustrações divertidas, sem aquele lado sério que a História pode ter, mas fiel aos fatos, afinal, o passado não pode ser mudado. Alexandre foi grande mesmo, não fisicamente, pois tudo indica que ele era bem baixinho, mas seus feitos foram grandes, ele fez coisas que ninguém ousou imaginar em sua época.

Como todos os mortos de fama biografados por livros da Coleção Mortos de Fama, Alexandre, o Grande também recebeu um carinhoso apelido, o autor Phil Robins refere-se a ele como Alex, essa é uma das características que eu gosto muito dessa coleção.

Alex nasceu em Pela, capital da Macedônia em 356 a.C. onde seu pai, Filipe, era rei. Desde criança ele sonhou em ocupar o lugar do pai, queria ser um rei muito melhor do que ele, na verdade ele queria ser o melhor em tudo, e pelo seu próprio julgamento, ele era. Alex sempre teve um ego inflado, nunca teve problemas com a sua auto-estima.

Ele pode não ter sido tudo o que achava que era, mas fez muitas coisas notáveis, nos 32 anos em que viveu, invadiu e conquistou muitos países agregando um império de mais de 5 milhões de quilômetros quadrados, abrangendo desde o rio Danúbio até o atual Paquistão. Assim que assumiu o trono do pai ele tratou de reunir um exercito gigantesco e sair mundo afora conquistando território, o objetivo inicial era a Pércia, mas quanto mais Alex conseguia mais ele queria.