15 setembro 2011

O senhor dos Anéis - O Retorno do Rei
Cris Compagnoni dos Reis11:26 2 comentários


Esse é o último volume da trilogia O Senhor dos Anéis, já sinto saudades da história antes mesmo de começar a falar sobre este livro, é aquela sensação de que Tolkien me deixou órfã, ficarei eternamente esperando uma continuação, mas a história finda aqui, e eu sempre poderei ler de novo.

Em O RETORNO DO REI as histórias seguem paralelamente, por um lado Sam e Frodo guiados por Sméagol (Gollum) a caminho de Mordor, Frodo está cada vez mais afetado pelo poder do anel, à medida que vão avançando na caminhada ele vai ficando mais fraco fisicamente e psicologicamente. Sam é sempre o ponto de apoio para o amigo, o incentiva, lhe dá esperanças, e protege Frodo das tentativas de Sméagol de se apoderar do anel.

Gandalf, depois de ajudar o rei Théoden e os cavaleiros de Rhoan na batalha do abismo de Helm, parte para a cidade de Minas Thirith, no reino de Gondor tentar convencer o regente do reino Denethor a pedir ajuda a Rhoan na guerra contra Mordor em nome de uma velha aliança entre os reinos, mas o mago encontra Denethor louco por causa da morte do seu filho Boromir, sendo assim, Gandalf e Marry acendem o farol que sinaliza esse pedido de auxílio.

Aragorn é quem vê o farol anuncia ao rei Théoden que Minas Thirith pede ajuda, o rei reúne o seu exército e, juntamente com Aragorn, Gimli e Légolas eles partem para Gondor. Mas no meio do caminho Aragorn, Gimli e Légolas se separam desse exército e seguem em direção a montanha dos mortos, de onde ninguém saiu vivo; os espíritos que vagam por essa montanha são assassinos e traidores de Isilur, que foram condenados a passar a eternidade naquele lugar por não cumprirem a promessa feita de lutar por Gondor. Mas na qualidade de herdeiro de Isilur, Aragorn propõe considerar a promessa cumprida caso eles lutem contra Mordor na guerra.


Os orcs de Mordor atacam Minas Thirith, e mesmo com a ajuda de Gandalf que lidera a defesa da cidade, pois Faramir está gravemente ferido e seu pai louco; a cidade acaba sendo invadida. Mas em meio à batalha surge o exército de Rhoan, e as coisas mudam um pouco, só que mesmo com esse auxílio, os orcs são muitos numerosos e difíceis de serem derrotados. Nesse momento crítico da batalha pode-se avistar dos portos de Gondor os navios dos corsários, aliados de Mordor que chegam para se juntar aos orcs. Mas quem sai do navio é Aragorn, Légolas e Gimli e um gigantesco exercito de fantasmas que surpreendem os orcs e, mesmo tendo muitos feridos e mortos nessa batalha, entre eles o rei Théoden, Gondor sai vitoriosa.

Uma batalha foi vencida, mas a guerra ainda não acabou, enquanto o anel não for destruído Sauron terá forças e continuará enviando exércitos de orcs e os nove cavaleiros com os Nazgûl para destruir toda a Terra Média, e não se têm notícia alguma de Frodo, Sam e o anel. Mas todos se recusam a acreditar que eles estejam mortos, então Aragorn tem a idéia de reunir novamente o exército e atacar Mordor, dessa forma desviaria a atenção de Sauron para que Frodo possa ter a chance de chegar a Montanha da Perdição para destruir o anel.

Essa última batalha é a mais emocionante, fiquei muito apreensiva, Aragorn, Gimli, Légolas, Marry, Pippin, Galdalf e um pequeno exército cercados de orcs por todos os lados nos portões de Mordor, quando um cavalheiro de Saurom aparece com uma peça de roupa que todos sabem ser de Frodo e afirma que o pequeno hobbit está morto; e essa é a segunda vez que ele passa por morto, a primeira foi nas Minas Morgul quando ele foi ferroado por Shelob, uma aranha gigante que habita os túneis escuros, e Sam encontra o amigo desmaiado e todo envolto na teia de Shelob e, chega à única conclusão possível, mas que felizmente não é verdadeira.

O fato é que o plano de Aragorn realmente funciona, com as atenções de Saurom voltadas para o portão de Mordor, Frodo e Sam conseguem chegar na Montanha da Perdição para destruir o anel. E isso ocorre no momento em que já estava quase sem esperanças, que as páginas do livro estavam se acabando e nada de bom acontecia, eu sentia a angústia de Frodo.

Está bem, no final o mal não triunfa, e o rei Aragorn volta para assumir o trono de Gondor, mas o modo como isso ocorre é espetacular, depois de toda a saga por A SOCIEDADE DO ANEL e AS DUAS TORRES, Tolkien encerra essa história de um jeito surpreendente, um daqueles finais que fazem os leitores respirarem aliviados, me encantei com a história desde o seu início, é difícil escolher uma parte que tenha em agradado mais, e as últimas páginas com certeza são fortes concorrentes.

Não gosto de histórias que deixam o final em aberto, acho que tudo tem que ser muito bem definido e explicado, e é isso que Tolkien faz, pois os quatro hobbits voltam para o Condado, passando por Valfenda, a guerra não foi um acontecimento isolado, ela afetou toda a Terra Média e é possível ver isso nesse retorno, saber o que aconteceu; e também como tudo ficou depois disso, com o passar do tempo.

Na contracapa da primeira edição do O SENHOR DOS ANÉIS em volume único tem uma citação do jornal The Sunday Times:

 “O mundo está dividido entes aqueles que já leram O Hobbit e O Senhor dos Anéis e aqueles que ainda não leram”.

Orgulho-me de fazer parte daqueles que leram, porque é uma experiência incrível, só me arrependo de não ter lido antes.
Sobre o autor (a) Formada em Matemática e especialista em Estatística mas ganha a vida como bibliotecária e é viciada em livros. Facebook ou Twitter

2 comentários :

  1. Pelo sim e pelo não, recadastrei o seu site lá no Twitterfeed.

    Beijins

    ResponderExcluir
  2. Sinceramente, não tenho a menor coragem de começar a ler esse livro. Já tentei assistir ao filme de novo, mas não sei o que acontece. !
    http://rafagallas-minhacolecaodelatas.blogspot.com/

    ResponderExcluir