23 janeiro 2011

ALBERT EINSTEIN E SEU UNIVERSO INFLAVEL
Cris Compagnoni dos Reis23:30 6 comentários


E cá estou eu novamente escrevendo sobre uma biografia, gosto muito de saber sobre a vida dessas pessoas que fizeram diferença na história, não que nós simples leitores mortais não somos importantes para o mundo, mas algumas pessoas realmente se destacaram e Albert Einstein foi uma delas.

Quando se fala dele já associamos a sua figura com a de um gênio, não que ele não fosse, mas quando ouvia ou lia seu nome nunca iria imaginar uma pessoa serena, tranqüila e calma. A imagem que fazemos de um gênio é aquele cara neurótico cheio de manias, o que não tem nada a ver com o cara biografado neste livro.

Quanto ao livro, bom é mais uma biografia da coleção Mortos de Fama, e como todos os outros é uma leitura pra se dar muita risadas, Dr. Mike Goldsmith escreve com uma linguagem bem humorada e acessível que junto com as ilustrações de Philip Reeve faz com que o leitor consiga compreender nem que seja superficialmente a física extremamente complicada do Beto, e apelidar o biografado assim nos aproxima dele, faz com que o leitor se sinta um amigo íntimo do cientista.


Beto nasceu alemão e judeu, mas sua família não era rigorosa com os costumes religiosos, e ele também nunca foi nacionalista chegando a abrir mão da sua nacionalidade para não servir no Exercito Alemão. Mas Einstein viveu durante o período nazista e apesar de nunca ter se envolvido com política sua condição de judeu o colocava em risco; foi espionado pelos nazistas e pelo FBI já que morava nos Estados Unidos, e o relatório que o FBI fez sobre ele é imenso.

Agora perceber como o raciocínio dele funcionava é algo realmente incrível, ele simplesmente imaginava; depois refletia muito a respeito pra ver se a coisa funcionava realmente como ele previra, já que testar ou provar ele não teria como, já que no seu tempo não avia tecnologia suficiente para que isso pudesse ser feito. Hoje já se pode dizer com certeza que ele estava certo.

Beto trabalhava no setor de liberação de patentes, passava o dia verificando geringonças, acho que esse é um trabalho legal e ele achava também, mas não era muito bem remunerado; o que ele queria mesmo era ensinar em uma universidade, mas suas notas nunca foram boas o suficiente.

Ele mandou o seu trabalho sobre o espaço-tempo para a universidade a fim de obter o grau de doutor, mas o trabalho foi recusado, alegaram que não existiam referências bibliográficas. É claro que não existiam, ninguém antes dele pensou as coisas que ele pensou. E o Prêmio Nobel ele também não ganhou com o seu trabalho mais famoso, ganhou por um trabalho sobre ondas, porque esse pode ser verificado e julgado correto pela comissão julgadora.

Quanto ao Prêmio Nobel, tem um fato que achei muito curioso, o Beto tinha certeza absoluta de iria ganhá-lo quando a sua ex-mulher lhe procurou pedindo dinheiro, ele disse que quando ganhasse o Prêmio o dinheiro seria todo dela, e não é que ele deu mesmo todo o dinheiro que ganhou para ela e para os filhos, não ficou com um centavo sequer!

Agora, esse negócio de que foi Albert Einstein que inventou a bomba atômica é a maior mentira da história. Essa arma foi a maior decepção que o Beto teve na vida, pois sua construção só foi possível a partir dos estudos que ele fez sobre o átomo. Ele era um cara pra lá de pacifista, creio eu que se ele pudesse imaginar que sua ciência alavancaria a indústria bélica ele teria guardado-a só pra ele.

Lendo ALBERT EINSTEIN E SEU UNIVERSO INFLÁVEL eu aprendi muita coisa, e aprendi de um jeito divertido, provando assim que a física teórica também pode ser divertida, que bom seria se os nossos livros didáticos fossem assim. E quanto ao Beto, bom, ele foi o cara que revolucionou a ciência, quando ele morreu o cérebro dele foi retirado para estudo, mas nada de surpreendente foi detectado, apenas que o tamanho era um pouco maior que a média e isso não explica ele ter sido o gênio que foi.

Para muita gente o Beto foi apenas o cara que inventou a famosa equação E = mc2, e estes não têm a mínima noção do que ela significa, e eu também não tinha, agora que sei me arrependo de não ter investigado isso antes. Ele é o cara que provou ser possível viajar no tempo, mas apenas para o futuro, nunca para o passado. Para as pessoas têm medo de ler um livro sobre Einstein por que acham que a ciência que ele fazia é muito complicada eu tenho a dizer que: são conceitos muito simples, não tenham medo de aprender porque o conhecimento vale muito a pena!
Sobre o autor (a) Formada em Matemática e especialista em Estatística mas ganha a vida como bibliotecária e é viciada em livros. Facebook ou Twitter

6 comentários :

  1. Mais um excelente Post feito pela Cris, teu jeito de resumir um livro é unico,sem falar que é devastador para o meu bolso. Parabens e continue Postando que sou Um leitor assiduo.

    ResponderExcluir
  2. Parabéns pela resenha Cris, somente acrescentar uma faceta realmente curiosa do grande precursor da física moderna: ele era um mulherengo de carteirinha, instituindo paixões em diversas mulheres ao longo da sua vida. Uma rápida busca no google pode corroborar esse traço, eventualmente esquecido de ser ilustrado na biografia descrita pelo post. Ainda assim, parece ser uma ótima recomendação de leitura.

    ResponderExcluir
  3. Beto é como o autor se refere a Albert Einstein, em todos os livros da coleção Mortos de Fama o famoso biografado recebe um apelido: Cleópatra é Cleo, William Shakespeare é Will, Alexandre o Grande é Alex, e Albert Einstein é Beto!

    ResponderExcluir
  4. Respostas
    1. http://search.4shared.com/postDownload/SRFFrm7U/albert_einstein_e__seu_univers.html

      Excluir