24 janeiro 2011

A HERDEIRA
Cris Compagnoni dos Reis19:32 0 comentários


Ah como eu gosto dos livros do Sidney Sheldon, são histórias que sempre têm aventura, suspense e um romance para fazer as leitoras românticas como eu suspirar torcendo para que o mocinho fique junto com a mocinha no final; mas isso não faz com que as histórias dele agrade só as mulheres, Sidney Sheldon têm um público muito amplo, na verdade nunca conheci ou fiquei sabendo que alguém não tivesse gostado de um livro seu; muitas pessoas podem afirmar que não tenham lido, mas tendo feito isso é impossível dizer que não gostou.

A HERDEIRA é uma história cheia de mistérios, e começa com a morte de um milionário, ele era o presidente de uma rede de empresas que pertencia a sua família, mas existia um documento que dizia que apenas um membro da família do sexo masculino poderia ocupar esse cargo, e ele ocupava porque era o único filho homem entre várias mulheres.

A sua morte causa uma confusão imensa na família, as suas irmãs têm casamentos problemáticos e maridos ávidos para tomar o controle das empresas, e nesse cenário complexo está Elizabeth, sua filha, que é a principal herdeira desse imenso capital, e suspeita que a morte do pai não foi um acidente.

23 janeiro 2011

ALBERT EINSTEIN E SEU UNIVERSO INFLAVEL
Cris Compagnoni dos Reis23:30 6 comentários


E cá estou eu novamente escrevendo sobre uma biografia, gosto muito de saber sobre a vida dessas pessoas que fizeram diferença na história, não que nós simples leitores mortais não somos importantes para o mundo, mas algumas pessoas realmente se destacaram e Albert Einstein foi uma delas.

Quando se fala dele já associamos a sua figura com a de um gênio, não que ele não fosse, mas quando ouvia ou lia seu nome nunca iria imaginar uma pessoa serena, tranqüila e calma. A imagem que fazemos de um gênio é aquele cara neurótico cheio de manias, o que não tem nada a ver com o cara biografado neste livro.

Quanto ao livro, bom é mais uma biografia da coleção Mortos de Fama, e como todos os outros é uma leitura pra se dar muita risadas, Dr. Mike Goldsmith escreve com uma linguagem bem humorada e acessível que junto com as ilustrações de Philip Reeve faz com que o leitor consiga compreender nem que seja superficialmente a física extremamente complicada do Beto, e apelidar o biografado assim nos aproxima dele, faz com que o leitor se sinta um amigo íntimo do cientista.