08 novembro 2010

ANJOS E DEMÔNIOS
Cris Compagnoni dos Reis14:56 0 comentários

Esse é o primeiro livro em que aparece o personagem mais famoso de Dan Brown: Robert Longdon, que nas adaptações para o cinema foi interpretado por Tom Hanks. Langdon é um famoso professor de Simbologia de Havard e suas aventuras são narradas em três das cinco obras de Brown.

Em ANJOS E DEMÔNIOS Robert e chamado para ajudar a desvendar um assassinato no maior centro científico do mundo: CERN; pois o provável assassino marca o corpo do cientista a fogo com um símbolo de uma antiga sociedade secreta, e esta é a especialidade do professor. Só que além do assassinato também ocorreu o roubo de uma substância altamente destrutiva que esse cientista estava estudando.

O cientista era padre, Leonardo Vetra, e tentava provar cientificamente a existência de Deus, e trabalhava juntamente com a sua filha adotiva, que seguiu a mesma carreira Vittória Vetra; e é ela quem vai ajudar Langdon a encontrar o assassino, pois ela entende tudo sobre a anti-matéria que foi roubada e está em poder do mesmo.


Segundo Robert, o símbolo marcado no peito de Leonardo Vetra é o dos Illuminati, eles eram uma fraternidade de cientistas que reuniam-se secretamente para discutir temas como astronomia, biologia, genética e outros que a Igreja não aprovava. Tamanha era a repressão católica, que foram forçados e reunir-se secretamente e ocultar a identidade dos membros e a localização de seu esconderijo.

Através dos séculos ficaram conhecidos como uma seita satânica que jurou vingar-se do Vaticano e de todos que um dia subjugaram o poder da ciência. No entanto, foram considerados extintos pela maioria dos historiadores e nem mesmo a Igreja não mais os teme. Mas com esse crime eles ressurgem e ameaçam a Igreja Católica em um dos seus momentos mais frágeis, o Conclave realizado para eleger um novo Papa em virtude do falecimento do atual, ou seja, a Igreja está sem um líder.
Agora em mãos dos Illuminati a antimatéria está dentro da cidade do Vaticano e em 24 horas as baterias de seu tubo/container terminarão, devastando tudo o que a Igreja reuniu através dos séculos em seu país sagrado. E é para lá que Longdon e Vittória vão, juntamente com o Carmelengo (auxiliar do Papa que fica responsável por organizar o Conclave depois da sua morte) irão tentar solucionar os crimes e garantir a eleição papal.
Só que quatro cardeais simplesmente desaparecem minutos antes de iniciar o Conclave – os quatro preferiti – principais candidatos a novo Papa, colocando em risco a eleição. E ainda os Illuminati entram em contado assumindo o seqüestro dos cardeais e informando que matarão um cardeal por hora, até que a meia-noite, terminará o reinado da igreja na terra; ou seja, a anti-matéria explodirá o Vaticano.

Langdon em seu vigor acadêmico lembra que os Illuminati criaram um mapa através de Roma chamado Caminho da Iluminação que leva ao seu esconderijo secreto, sem acreditar que ele ainda possa existir, ele e Vittoria acessam os arquivos secretos do Vaticano e encontram na obra de Galileu as pistas para encontrar o sagrado caminho: Terra, Ar, Fogo e Água, que os anjos o guiem em sua jornada.

É mais uma das aventuras alucinantes de Dan Brown, daquelas em que não consegue largar mais o livro, eu levei apenas dois dias pra ler. A ficção de Brown é tão cheia de realidade que o leitor não consegue percebe-la. O Conclave é descrito com perfeição assim como todos os fatos históricos.

Robert Longdon e Vittória Vetra saem em uma corrida contra o tempo pelas ruas de Roma, obras de arte, pontos turísticos, construções antigas, tudo isso faz parte de um enigma que eles têm que desvendar para salvar os cardeais a tempo para que além de impedirem suas mortes o Conclave possa ser realizado.

Quanto ao filme homônimo, achei que faltou alguns detalhes que fazem a diferença, como a verdadeira origem de Vittória, por exemplo, já que nas telonas não é explicitado que ela é filha de Leonardo, e este nem é citado. A verdadeira relação do Carmelengo com o Papa também não é exposta no filme, acho que isso é fundamental para a compreensão do desfecho da história, pois revela o real motivo dos acontecimentos. Mas se o analisarmos como um filme de ação, posso dizer que ele é muito bom.

ANJOS E DEMÔNIOS é uma história genial, polêmica por colocar a Igreja Católica em seu centro, mescla história, arte, e a disseminação do conhecimento no tempo em que ele era “propriedade” da Igreja. Não é por qualquer motivo que o livro é um sucesso, ele é bom de mais!
Sobre o autor (a) Formada em Matemática e especialista em Estatística mas ganha a vida como bibliotecária e é viciada em livros. Facebook ou Twitter

0 comentários

Postar um comentário